Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



O TEMPO

por Keila, a Loba, em 26.01.07
Há dois anos atrás eu tinha um pai adoentado, porém, vivo. Lembro-me do sufoco que passamos juntos, as entradas no hospital, as incertezas quanto ao presente e futuro, a vida... e inacreditavelmente hoje pela manhã sonhei com ele, o Heitor, o meu pai.
Esse encontro não me rendeu tão somente as lágrimas da saudade, mas a dor da solidão, o medo, até mesmo uma certa dose de estar vivendo quase a mesma coisa com o meu irmão. Foram momentos inesquecíveis e tocantes, motivo pelo qual re-postarei aqui toda a emoção vivida.

quarta-feira, 26 de janeiro de 2005.


Era uma quinta-feira quando papai sentiu mais forte os incômodos que o fariam dar entrada na emergência logo na sexta pela manhã. Foi um sufoco tão sério como foram os anteriores: não conseguiu despertar, ficou com um aspecto macerado, sem vida e sem cor, sua respiração era mantida via oxigênio, sua vida estava no fio da navalha. Com a chegada dos para-médicos, constatou-se um edema pulmonar, o mais novo diagnóstico dentre outros listados em seu prontuário. Saiu de casa em coma, e em coma permanece até agora.


De quinta à noite até sexta pela manhã, 04 paradas cardíacas haviam maltratado o seu coração já adoecido, envelhecido, mas desperto para a vida, pois tudo o que ele não quer é encontrar-se com a morte. Contar às vezes em que esteve assim, tão entregue aos caminhos da eternidade, fariam encher uma página inteira de acontecimentos. Mas resolvi publicar aqui uma conversa que me faz chorar, e que eu poderia ter dito a ele enquanto esteve vivo e lúcido. Sabe-se lá por que as palavras não se sobrepõem à vontade, e saem da boca como que vomitadas quando mais precisamos delas?


Pai...


Vê-lo inerte na cama desse hospital me fez pensar que a saga desse guerreiro chegou ao fim. Segurando a sua mão, lembrei das tantas vezes em que médicos e exames traçaram prognósticos sombrios e vazios.... Mas a partida aconteceu quando as memórias da guerra, dos desencontros e da família resolveram buscar outras paragens que não essa Terra, que não esse tempo, pois o que resta de mais pungente agora é a certeza de que lutou com todas as forças para viver. Eis o seu e o nosso legado.


Sabe, papai, dizer que a vida foi boa e confortável para nós seria omitir as tantas vezes em que nos permitimos chorar, desacreditar e sofrer pelas ausências que nos impomos ao longo dos anos. E pergunto: O que nos faltou? O que houve conosco? Só hoje percebo que tínhamos quase tudo para que a tal felicidade nos preenchesse a alma. Tínhamos uma mãe guerreira à frente das nossas vidas, foi-nos ensinado que a coragem e o ser falam mais alto do que qualquer outra força e, sobretudo, vimos o senhor e a mainha firme, seguindo com dignidade e maestria os caminhos da vida. O que ainda não conseguimos perceber, então?


Amanhã, quando da sua presença restar um punhado de sementes em nossas vidas, tal e qual o jardim que a guerreira Ruth plantou e cuidou para nós, precisaremos ter extraído o ensinamento maior, escondido na cadeia de acontecimentos que marcaram todos esses anos. Quererei entender que o Senhor Deus permitiu que mágoas inexplicáveis pudessem ser desfeitas quando vi o cuidado com que o Januzy pegou o senhor nos braços, usando uma força que nem tinha, e colocou-o na cadeira de rodas para alimentá-lo como fazemos com os bebês. E, contemplando a beleza de uma outra cena, também vi que o senhor e o Januzy permaneceram um na companhia do outro por todo o período em que esteve doente, contrariando memórias passadas que se opuseram ao amor entre pai e filho. Quem pode entender as mensagens de Deus, senão o coração?


Também abstrai das ações rotineiras envolvidas no trocar fraldas, banhar, alimentar, fazer barba e cortar unhas, coisas que o guerreiro Heitor não teria como imaginar em sua vida, outrora livre e cheia se emoção, mas que imprimiram uma mensagem mais forte do que qualquer outra já ensinada: Não poderemos viver ou sobreviver sem o outro.


Se saberemos decifrar os apelos que virão após a sua partida, se estaremos dispostos a juntar as nossas migalhas de felicidade para estarmos juntos, papai, eis que a sua e a lição da mainha terão que germinar boas sementes em terras fertilizadas com a esperança.


Image Hosted by ImageShack.us


É lua minguante no céu estrelado de Fortaleza. Nesse momento, os anjos estão em vigília pelo sr. Heitor, assim como estão ao lado de todos os que sofrem a incerteza da partida. Ir embora dessa vida, deixar de lado os amores, a família e esse Sol que nos protege é deixar par atrás uma vida de encontros e desencontros para construir uma outra em algum lugar, sem endereço ou destino certo.


Em pé, no alto da colina, uivando em noite de Lua pequena, a Loba anuncia que se retirará por alguns dias, mas ficará com saudades da sua matilha. Se a ausência que agora maltrata o coração for partilhada pelos que vou deixando aqui, peço-lhes que que uivem alto, forte e com amor, pois onde estiver estarei ouvindo e sabendo que nossos encontros não terão sido em vão.


"Tu és eternamente responsável pelo Lobo que cativas".


Beijoooooooooooosssss da Loba

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:26


20 comentários

Sem imagem de perfil

De MCeu a 27.01.2007 às 00:31


Olá linda, ñ desanime. Nada é por acaso, não estou a dizer que é justo. Força.
Sem imagem de perfil

De Águamarinha a 27.01.2007 às 00:38


Loba, estava no Sofá Azul e resolvi olhar os blogs lá linkados. Foi quando abri o blog de Zen e ví seu link. Tinha perdido vc de vista. Pensei que não fosse mais blogar. Fiquei com muita pena quando há um tempo atrás vc se despediu. Que bom saber que está de volta, mesmo estando ausente.
Qual blogueiro um dia não precisa se afastar por motivos pessoais?
Tem que procurar voltar logo, seus uivos fazem falta. Sempre fui grande admiradora do seu trabalho.
Beijos com carinho, uma semana feliz. Que a proteção divina esteja sempre com vc.
Sem imagem de perfil

De A Gata por um Fio a 27.01.2007 às 06:04

A Loba seguirá em frente, pois os que amamos não nos abandonam...seguem dentro de nós...força, querida!
Sem imagem de perfil

De fernanda a 27.01.2007 às 10:55

Keila,
também já estive numa situação semelhante e nada do que me diziam me servia de consolo, portanto vou dizer-lhe onde fui buscar a força para seguir adiante: ao coração, aí estava alojado todo o amor, cuidado,memórias de meu pai, até hoje. Ele estará em si para sempre. Muita força.
Fique com Deus.
Beijos.
Fernanda
Sem imagem de perfil

De Kyaya° a 27.01.2007 às 12:50

Oi amiga!
É... tem horas que a saudade bate forte e as lembranças vêm à tona...
Eu queria poder encarar a passagem dessa vida terrena para a vida celeste de maneira tão forte e madura quanto a sua... Eu ainda não consegui encarar a desencarnação muito bem... Tenho medo dela e fora isso, ainda não consegui lidar bem com a perda. Sei que todas as almas boas como a do seu pai, estão em um bom lugar lá no céu com o nosso Pai Celestial. Mas ainda sim... Não consegui encarar tudo isso de maneira madura... Espero algum dia poder!
Eu me emocionei muito com o seu post, amiga! Você sabe como tocar o coração das pessoas, sabia?
Te adoro!!! :D
Beijos :*************
Sem imagem de perfil

De NADJA a 27.01.2007 às 13:08

LINDA PODEROSA..ESTOU AQUI EM CABU..CURTINDO UMAS FÉRIAS ADOIDADA KMUITO SOL..FORRO..E MARZÃO UIA QUE DELICIA FIQUE EM PAZ TE DOLO SAUDADES VOLTAREI DIA03/02
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 27.01.2007 às 13:23

Minha querida, acredito, só o amor é real. Fico imaginando a felicidade do seu pai, que com certeza permanece presente no santuário do seu ser. As lagrimas escorrem e eu me sinto viva, porque a emoção faz parte do amor. Uma linda reflexão para o Viver e o Morrer.
Lembrei de um pensamento do Dr. Helder Câmara.

"Nenhum de nós pode programar a vida como linha reta imutável, inflexível...
A cada instante as surpresas arrebentam e temos que ter humildade e imaginação criadora para ir salvando o essencial através do inesperado de cada instante..."
Com carinho e respeito,
Edna
Sem imagem de perfil

De edna a 27.01.2007 às 13:30

Estou voltando para dizer que pode usar as orações e as imagens que desejar do Cristalino. Como estou aprendendo fotografar, estou colocando no blog algumas coisas que tenho em casa e que vejo que é interessante.
Beijos, Edna
Sem imagem de perfil

De Morena a 27.01.2007 às 14:38

Esse post foi realmente muito dificil de ser lido até o fim!
Espero q o tempo tenha lhe dado todo o consolo que precisou!
Mil beijos
Sem imagem de perfil

De Márcia(clarinha) a 27.01.2007 às 21:51

Manamada,
há dois anos eu chorei com a sua perda, senti a partida de Seu Heitor como de alguém muito próximo, sem nunca tê-lo visto.
Hoje,relendo tudo isso fiquei emocionada e tive certeza de sua força, mulher guerreira.
Dois anos se foram mas a saudade é e continuará sendo enorme, sonhe minha linda e o sinta pertinho de vc.
feliz findi
beijosssssssssssssss

Comentar post


Pág. 1/2



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2012
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2011
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2010
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2009
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2008
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2007
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2006
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2005
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D



Há quem observa com atenção, senta, e se interessa em saber quem sou.


Blog Brasileiro, do Ceará para o Mundo


Adoro ouvir o barulho da chuva batendo no telhado, tomar banho de cachoeira, observar os pássaros, cuidar de animais, conversar com pessoas, aprender, rir à toa, ouvir música e viajar.
Transito livremente no mundo dos contos, da fantasia, da intuição, e às vezes dos exageros.
Gosto de pessoas com coração e olhos de poeta.
Pisciana, com ascendente em escorpião.
Mulher de Netuno, arquétipo água: mutável, humanista, idealista, sonhadora; aparentemente passiva, mas extremamente reacionária, autoritária, insegura e adaptável.
Mãe da Fernanda e da Camilla, casada com o Fernando.
Terapeuta ocupacional, estudante de psicologia.

Image Hosted by ImageShack.us

Uma eterna peregrinação...
Programa Reviver
Jaqueline Sales


CLIQUE PARA OUVIR


Quantos me visitam...









Uma cidadã lupina no mundo e do mundo



Guest-Book
Image Hosted by ImageShack.us
Livre D'or




Nada é permanente, a não ser a mudança


Uploaded with ImageShack.us
Nascer
Crescer
Aprender
Viver
Mudar
Sofrer
Amar
Morrer
Começar tudo de novo...
Até saber quem somos e a que viemos



A vida em imagens


.¸¸.•*´¨`*•.¸¸.•☆ Infinita e Impermanente como a vida, são as imagens.... ☆.¸¸.•*´¨`*•.¸¸.•




Obrigada pela sua visita!

☆≈≈≈Cinderela, mascote dos Uivos da Loba≈≈≈☆


Jaqueline Sales Sales

Criar seu atalho