Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



O que eu tenho feito pelo planeta?

por Keila, a Loba, em 06.06.07
Como participante da blogagem coletiva do Lino, http://www.linoresende.com.br/blog/, cujo tema é "O QUE EU TENHO FEEITO PELO PLANETA"?, listo algumas ações que desenvolvemos com a família, com amigos, e com um grupo de pessoas portadoras de diversas enfermidades.


1- Racionamento da água: Um bombeiro amigo retirou uma peça da descarga dos banheiros de minha casa, de forma que o volume de água foi reduzido em menos da metade quando a descarga é acionada. Em tempo, descarga, só depois de 3 xixis!

2- Reutilizamos toda a água usada na máquina de lavar, e para que isso fosse possível, retiramos o cano que esvaziava a água para o consumidor. Agora a água das lavagens de roupa pode ser reutilizada em quase todas as atividades de limpeza de casa;

Image Hosted by ImageShack.us


3- Consideramos o descaso e abandono de animais de rua um problema sério. Alguns espíritas são catedráticos na afirmação de que, "Temos uma grande dívida espiritual com os animais". A bem da verdade, os animais são usados como cobaias em laboratórios, e seus corpos não são poupados frente ao arsenal de drogas pesadas que a industria farmaceutica vem usando em doses cada vez maiores.

Como gratidão à forma desumana, violenta e fria com que nos apossamos de vidas não humanas, mas tão animais quanto nós, colhemos animais de rua, levamos ao veterinário, medicamos, tratamos, e em seguida os entregamos a pessoas que possam acolhe-los e adota-los com amor e respeito.

Image Hosted by ImageShack.us


CARTA DA TERRA NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO, Organização: Instituto Paulo Freire - Apoio: Conselho da Terra e UNESCO-Brasil.

1. Nossa Mãe Terra é um organismo vivo e em evolução. O que for feito a ela repercutirá em todos os seus filhos. Ela requer de nós uma consciência e uma cidadania planetárias, isto é, o reconhecimento de que somos parte da Terra e de que podemos perecer com a sua destruição ou podemos viver com ela em harmonia, participando do seu devir.

2. A mudança do paradigma economicista é condição necessária para estabelecer um desenvolvimento com justiça e eqüidade. Para ser sustentável, o desenvolvimento precisa ser economicamente factível, ecologicamente apropriado, socialmente justo, includente, culturalmente eqüitativo, respeitoso e sem discriminação. O bem-estar não pode ser só social; deve ser também sócio-cósmico.

3. A sustentabilidade econômica e a preservação do meio ambiente dependem também de uma consciência ecológica e esta da educação. A sustentatibilidade deve ser um princípio interdisciplinar reorientador da educação, do planejamento escolar, dos sistemas de ensino e dos projetos político-pedagógicos da escola. Os objetivos e conteúdos curriculares devem ser significativos para o(a) educando(a) e também para a saúde do planeta.

4. A ecopedagogia, fundada na consciência de que pertencemos a uma única comunidade da vida, desenvolve a solidariedade e a cidadania planetárias. A cidadania planetária supõe o reconhecimento e a prática da planetaridade, isto é, tratar o planeta como um ser vivo e inteligente. A planetaridade deve levar-nos a sentir e viver nossa cotidianidade em conexão com o universo e em relação harmônica consigo, com os outros seres do planeta e com a natureza, considerando seus elementos e dinâmica. Trata-se de uma opção de vida por uma relação saudável e equilibrada com o contexto, consigo mesmo, com os outros, com o ambiente mais próximo e com os demais ambientes.

5. A partir da problemática ambiental vivida cotidianamente pelas pessoas nos grupos e espaços de convivência e na busca humana da felicidade, processa-se a consciência ecológica e opera-se a mudança de mentalidade. A vida cotidiana é o lugar do sentido da pedagogia pois a condição humana passa inexoravelmente por ela. A ecopedagogia implica numa mudança radical de mentalidade em relação à qualidade de vida e ao meio ambiente, que está diretamente ligada ao tipo de convivência que mantemos com nós mesmos, com os outros e com a natureza.

6. A ecopedagogia não se dirige apenas aos educadores, mas a todos os cidadãos do planeta. Ela está ligada ao projeto utópico de mudança nas relações humanas, sociais e ambientais, promovendo a educação sustentável (ecoeducação) e ambiental com base no pensamento crítico e inovador, em seus modos formal, não formal e informal, tendo como propósito a formação de cidadãos com consciência local e planetária que valorizem a autodeterminação dos povos e a soberania das nações.

7. As exigências da sociedade planetária devem ser trabalhadas pedagogicamente a partir da vida cotidiana, da subjetividade, isto é, a partir das necessidades e interesses das pessoas. Educar para a cidadania planetária supõe o desenvolvimento de novas capacidades, tais como: sentir, intuir, vibrar emocionalmente; imaginar, inventar, criar e recriar; relacionar e inter-conectar-se, auto-organizar-se; informar-se, comunicar-se, expressar-se; localizar, processar e utilizar a imensa informação da aldeia global; buscar causas e prever conseqüências; criticar, avaliar, sistematizar e tomar decisões. Essas capacidades devem levar as pessoas a pensar e agir processualmente, em totalidade e transdisciplinarmente.

8. A ecopedagogia tem por finalidade reeducar o olhar das pessoas, isto é, desenvolver a atitude de observar e evitar a presença de agressões ao meio ambiente e aos viventes e o desperdício, a poluição sonora, visual, a poluição da água e do ar etc. para intervir no mundo no sentido de reeducar o habitante do planeta e reverter a cultura do descartável. Experiências cotidianas aparentemente insignificantes, como uma corrente de ar, um sopro de respiração, a água da manhã na face, fundamentam as relações consigo mesmo e com o mundo. A tomada de consciência dessa realidade é profundamente formadora. O meio ambiente forma tanto quanto ele é formado ou deformado. Precisamos de uma ecoformação para recuperarmos a consciência dessas experiências cotidianas. Na ânsia de dominar o mundo, elas correm o risco de desaparecer do nosso campo de consciência, se a relação que nos liga a ele for apenas uma relação de uso.

9. Uma educação para a cidadania planetária tem por finalidade a construção de uma cultura da sustentabilidade, isto é, uma biocultura, uma cultura da vida, da convivência harmônica entre os seres humanos e entre estes e a natureza. A cultura da sustentabilidade deve nos levar a saber selecionar o que é realmente sustentável em nossas vidas, em contato com a vida dos outros. Só assim seremos cúmplices nos processos de promoção da vida e caminharemos com sentido. Caminhar com sentido significa dar sentido ao que fazemos, compartilhar sentidos, impregnar de sentido as práticas da vida cotidiana e compreender o sem sentido de muitas outras práticas que aberta ou solapadamente tratam de impor-se e sobrepor-se a nossas vidas cotidianamente.

10. A ecopedagogia propõe uma nova forma de governabilidade diante da ingovernabilidade do gigantismo dos sistemas de ensino, propondo a descentralização e uma racionalidade baseadas na ação comunicativa, na gestão democrática, na autonomia, na participação, na ética e na diversidade cultural. Entendida dessa forma, a ecopedagogia se apresenta como uma nova pedagogia dos direitos que associa direitos humanos – econômicos, culturais, políticos e ambientais - e direitos planetários, impulsionando o resgate da cultura e da sabedoria popular. Ela desenvolve a capacidade de deslumbramento e de reverência diante da complexidade do mundo e a vinculação amorosa com a Terra.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 01:20


12 comentários

Sem imagem de perfil

De Lino a 06.06.2007 às 03:09

Loba:
Um belo exemplo de ação pessoal na luta pela melhoria do planeta. Você está de parabéns.
Obrigado pela participação.
Sem imagem de perfil

De Fernanda a 06.06.2007 às 09:18

Keila, cá em casa também fazemos uma utilização racional da água, é um bem precioso com o qual lidamos como se fosse inesgotável! Mas não é...
Fomos nós que poluimos o planeta, teremos que ser nós a limpá-lo.
Como é possível amar a Deus e não amar a Natureza?!
Beijo!
Sem imagem de perfil

De plum a 06.06.2007 às 13:15

Se todos ajudarmos um pouco o nosso planeta irá salvar-se!Não custa nada, basta sermos conscientes e respeitarmos o nosso belo planeta!***
Sem imagem de perfil

De bené chaves a 06.06.2007 às 15:44

Oi, amiga: lindíssimo o visual de seu blogue. A natureza sempre bela a nos trazer paz e conforto. E os textos também nos ensinando muito sobre o cotidiano nosso. Parabéns!

Um beijo natural...
Sem imagem de perfil

De defensor a 06.06.2007 às 19:05

Salve!
Beleza de post. Também reutilizo a água da máquina de lavar para limpar a casa, válvula da descarga econômica (ou seja, bani a hidra)... sempre podemos fazer algo que está a nosso alcance.
Isto deveria ser uma preocupação de todos, já que os governos, em geral, não estão nem aí para tal conscientização.
ABRAÇOS!
Sem imagem de perfil

De Luma a 07.06.2007 às 00:04

Keila, sai daqui preocupada com o que li da última vez. Sei que a sua sensibilidade à leva a pensar além daquilo que vemos. É previlegiado aquele que está sob a mira do seu olhar. Novidade pra mim essa matéria, ecopedagogia. Beijus
Sem imagem de perfil

De Lobo a 08.06.2007 às 02:36

Imagina se todas as pessoas do mundo fizessem o que você faz?! Com certeza o ser humano estaria bem distante da extinção.

Boa loba você.
Sem imagem de perfil

De Nilza a 08.06.2007 às 03:16

Oi..Lobinha!!

Tá muito fofo e completo seu post. Eu tbm entrei neste post, mas percebo em todos os textos um certo desãnimo, talvez pq não tenhamos tanta confiança nos homens né?

Enfim, vamos torcer para o melhor.
Beijos
Sem imagem de perfil

De ana a 08.06.2007 às 08:57

Namaste amiga!! Deixo-te um jinho cheio de muita luz!!!
Sem imagem de perfil

De Nilson Barcelli a 08.06.2007 às 16:30

As medidas que tomou, contribuem, de facto, para a melhoria das condições de vido no planeta, ainda que insignificantes individualmente.
Mas se todos fizermos o mesmo, o benefício é significativo.
Bom final de semana.
Beijinhos.

Comentar post


Pág. 1/2



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2012
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2011
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2010
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2009
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2008
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2007
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2006
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2005
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D



Há quem observa com atenção, senta, e se interessa em saber quem sou.


Blog Brasileiro, do Ceará para o Mundo


Adoro ouvir o barulho da chuva batendo no telhado, tomar banho de cachoeira, observar os pássaros, cuidar de animais, conversar com pessoas, aprender, rir à toa, ouvir música e viajar.
Transito livremente no mundo dos contos, da fantasia, da intuição, e às vezes dos exageros.
Gosto de pessoas com coração e olhos de poeta.
Pisciana, com ascendente em escorpião.
Mulher de Netuno, arquétipo água: mutável, humanista, idealista, sonhadora; aparentemente passiva, mas extremamente reacionária, autoritária, insegura e adaptável.
Mãe da Fernanda e da Camilla, casada com o Fernando.
Terapeuta ocupacional, estudante de psicologia.

Image Hosted by ImageShack.us

Uma eterna peregrinação...
Programa Reviver
Jaqueline Sales


CLIQUE PARA OUVIR


Quantos me visitam...









Uma cidadã lupina no mundo e do mundo



Guest-Book
Image Hosted by ImageShack.us
Livre D'or




Nada é permanente, a não ser a mudança


Uploaded with ImageShack.us
Nascer
Crescer
Aprender
Viver
Mudar
Sofrer
Amar
Morrer
Começar tudo de novo...
Até saber quem somos e a que viemos



A vida em imagens


.¸¸.•*´¨`*•.¸¸.•☆ Infinita e Impermanente como a vida, são as imagens.... ☆.¸¸.•*´¨`*•.¸¸.•




Obrigada pela sua visita!

☆≈≈≈Cinderela, mascote dos Uivos da Loba≈≈≈☆


Jaqueline Sales Sales

Criar seu atalho