Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



QUANDO O INSTINTO MATERNO DEFINE O VIVER E O MORRER

por Keila, a Loba, em 14.05.06
abencodia_gifsprajesus.gif



QUANDO O INSTINTO MATERNO DEFINE O VIVER E O MORRER


História verídica, Série Instinto - Fantástico


Jennifer era casada com Paul, tinha três filhos e morava em Montreal, Canadá, em uma espaçosa e aconchegante casa de madeira. A família gostava de estar em contato com a natureza, por isso costumavam relaxar e contemplar as lindas paisagens canadenses enquanto acampavam na floresta.

Era fim de semana e a família havia programado armar o acampamento em um lindo trecho coberto por mata nativa, local preferido por várias famílias, que ali se encontravam para contemplar as belezas da terra e as estrelas do céu. Porém, para fechar um projeto de trabalho, Paul precisou retornar com urgência ao escritório minutos antes da saída para o acampamento, tendo que deixar mãe e filhos partirem desacompanhados.

Mochilas e suprimentos organizados, Jennifer pegou as crianças e seguiram à cavalo para o destino planejado. Eles caminhavam lentamente e atrasados em relação a uma outra família, que também se dirigia para o mesmo local. Porém, em dado trecho de mata, um puma atacou o caçula da família ferindo-o na cabeça e atirando-o ao chão.

Vendo o filho pequenino caído e ameaçado pelo animal, a mãe pulou do cavalo em que montava absolutamente dominada pelo instinto materno. Sem que pudesse perder segundos preciosos que significavam a vida ou a morte do filho, sem que tivesse tempo para raciocinar, Jennifer entrou em combate com o puma enquanto gritava orientando aos dois outros filhos que levassem o irmão para casa e trouxessem a ajuda necessária.

Os filhos obedeceram. Restou ali uma mãe indefesa ao lado de um animal perigoso, duas criaturas tão singulares lutando pela sobrevivência, travando um combate incomum naquele trecho de mata. Era o instinto maternal contra o instinto animal.

Duas horas mais tarde, Paul e os paramédicos chegaram para socorrer Jennifer. Ela foi encontrada ainda com vida, mas seu corpo franzino e pequeno também havia deixado marcas no puma, que estava ferido e caído ao chão.

A mãe Jennifer só teve vida disponível para saber do filho, se estava bem, se havia sido medicado e se corria risco de vida. Logo que o marido respondeu suas inquietações e tranqüilizou-a, Jennifer sorriu aliviada, suspirou e partiu abraçada ao marido. Havia dado a sua vida para defender a vida do filho. Morreu em paz e feliz.

Desejo-lhe a paz tão sonhada nesse coração materno.

Que Deus ilumine a minha mãe, Ruth, onde quer que esteja agora.

Que o Senhor Deus escute, oriente e abençoe todas as mães, se vivas estiverem, se mortas, se desempregadas, encarceradas, viciadas, prostituídas, abandonadas, criminosas, doentes, solitárias, vazias de sonho e largadas à própria sorte...


Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:43

Pág. 4/4



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2012
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2011
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2010
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2009
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2008
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2007
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2006
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2005
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

subscrever feeds



Há quem observa com atenção, senta, e se interessa em saber quem sou.


Blog Brasileiro, do Ceará para o Mundo


Adoro ouvir o barulho da chuva batendo no telhado, tomar banho de cachoeira, observar os pássaros, cuidar de animais, conversar com pessoas, aprender, rir à toa, ouvir música e viajar.
Transito livremente no mundo dos contos, da fantasia, da intuição, e às vezes dos exageros.
Gosto de pessoas com coração e olhos de poeta.
Pisciana, com ascendente em escorpião.
Mulher de Netuno, arquétipo água: mutável, humanista, idealista, sonhadora; aparentemente passiva, mas extremamente reacionária, autoritária, insegura e adaptável.
Mãe da Fernanda e da Camilla, casada com o Fernando.
Terapeuta ocupacional, estudante de psicologia.

Image Hosted by ImageShack.us

Uma eterna peregrinação...
Programa Reviver
Jaqueline Sales


CLIQUE PARA OUVIR


Quantos me visitam...









Uma cidadã lupina no mundo e do mundo



Guest-Book
Image Hosted by ImageShack.us
Livre D'or




Nada é permanente, a não ser a mudança


Uploaded with ImageShack.us
Nascer
Crescer
Aprender
Viver
Mudar
Sofrer
Amar
Morrer
Começar tudo de novo...
Até saber quem somos e a que viemos



A vida em imagens


.¸¸.•*´¨`*•.¸¸.•☆ Infinita e Impermanente como a vida, são as imagens.... ☆.¸¸.•*´¨`*•.¸¸.•




Obrigada pela sua visita!

☆≈≈≈Cinderela, mascote dos Uivos da Loba≈≈≈☆


Jaqueline Sales Sales

Criar seu atalho