Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



O TEMPO

por Keila, a Loba, em 26.01.07
Há dois anos atrás eu tinha um pai adoentado, porém, vivo. Lembro-me do sufoco que passamos juntos, as entradas no hospital, as incertezas quanto ao presente e futuro, a vida... e inacreditavelmente hoje pela manhã sonhei com ele, o Heitor, o meu pai.
Esse encontro não me rendeu tão somente as lágrimas da saudade, mas a dor da solidão, o medo, até mesmo uma certa dose de estar vivendo quase a mesma coisa com o meu irmão. Foram momentos inesquecíveis e tocantes, motivo pelo qual re-postarei aqui toda a emoção vivida.

quarta-feira, 26 de janeiro de 2005.


Era uma quinta-feira quando papai sentiu mais forte os incômodos que o fariam dar entrada na emergência logo na sexta pela manhã. Foi um sufoco tão sério como foram os anteriores: não conseguiu despertar, ficou com um aspecto macerado, sem vida e sem cor, sua respiração era mantida via oxigênio, sua vida estava no fio da navalha. Com a chegada dos para-médicos, constatou-se um edema pulmonar, o mais novo diagnóstico dentre outros listados em seu prontuário. Saiu de casa em coma, e em coma permanece até agora.


De quinta à noite até sexta pela manhã, 04 paradas cardíacas haviam maltratado o seu coração já adoecido, envelhecido, mas desperto para a vida, pois tudo o que ele não quer é encontrar-se com a morte. Contar às vezes em que esteve assim, tão entregue aos caminhos da eternidade, fariam encher uma página inteira de acontecimentos. Mas resolvi publicar aqui uma conversa que me faz chorar, e que eu poderia ter dito a ele enquanto esteve vivo e lúcido. Sabe-se lá por que as palavras não se sobrepõem à vontade, e saem da boca como que vomitadas quando mais precisamos delas?


Pai...


Vê-lo inerte na cama desse hospital me fez pensar que a saga desse guerreiro chegou ao fim. Segurando a sua mão, lembrei das tantas vezes em que médicos e exames traçaram prognósticos sombrios e vazios.... Mas a partida aconteceu quando as memórias da guerra, dos desencontros e da família resolveram buscar outras paragens que não essa Terra, que não esse tempo, pois o que resta de mais pungente agora é a certeza de que lutou com todas as forças para viver. Eis o seu e o nosso legado.


Sabe, papai, dizer que a vida foi boa e confortável para nós seria omitir as tantas vezes em que nos permitimos chorar, desacreditar e sofrer pelas ausências que nos impomos ao longo dos anos. E pergunto: O que nos faltou? O que houve conosco? Só hoje percebo que tínhamos quase tudo para que a tal felicidade nos preenchesse a alma. Tínhamos uma mãe guerreira à frente das nossas vidas, foi-nos ensinado que a coragem e o ser falam mais alto do que qualquer outra força e, sobretudo, vimos o senhor e a mainha firme, seguindo com dignidade e maestria os caminhos da vida. O que ainda não conseguimos perceber, então?


Amanhã, quando da sua presença restar um punhado de sementes em nossas vidas, tal e qual o jardim que a guerreira Ruth plantou e cuidou para nós, precisaremos ter extraído o ensinamento maior, escondido na cadeia de acontecimentos que marcaram todos esses anos. Quererei entender que o Senhor Deus permitiu que mágoas inexplicáveis pudessem ser desfeitas quando vi o cuidado com que o Januzy pegou o senhor nos braços, usando uma força que nem tinha, e colocou-o na cadeira de rodas para alimentá-lo como fazemos com os bebês. E, contemplando a beleza de uma outra cena, também vi que o senhor e o Januzy permaneceram um na companhia do outro por todo o período em que esteve doente, contrariando memórias passadas que se opuseram ao amor entre pai e filho. Quem pode entender as mensagens de Deus, senão o coração?


Também abstrai das ações rotineiras envolvidas no trocar fraldas, banhar, alimentar, fazer barba e cortar unhas, coisas que o guerreiro Heitor não teria como imaginar em sua vida, outrora livre e cheia se emoção, mas que imprimiram uma mensagem mais forte do que qualquer outra já ensinada: Não poderemos viver ou sobreviver sem o outro.


Se saberemos decifrar os apelos que virão após a sua partida, se estaremos dispostos a juntar as nossas migalhas de felicidade para estarmos juntos, papai, eis que a sua e a lição da mainha terão que germinar boas sementes em terras fertilizadas com a esperança.


Image Hosted by ImageShack.us


É lua minguante no céu estrelado de Fortaleza. Nesse momento, os anjos estão em vigília pelo sr. Heitor, assim como estão ao lado de todos os que sofrem a incerteza da partida. Ir embora dessa vida, deixar de lado os amores, a família e esse Sol que nos protege é deixar par atrás uma vida de encontros e desencontros para construir uma outra em algum lugar, sem endereço ou destino certo.


Em pé, no alto da colina, uivando em noite de Lua pequena, a Loba anuncia que se retirará por alguns dias, mas ficará com saudades da sua matilha. Se a ausência que agora maltrata o coração for partilhada pelos que vou deixando aqui, peço-lhes que que uivem alto, forte e com amor, pois onde estiver estarei ouvindo e sabendo que nossos encontros não terão sido em vão.


"Tu és eternamente responsável pelo Lobo que cativas".


Beijoooooooooooosssss da Loba

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:26



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2012
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2011
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2010
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2009
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2008
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2007
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2006
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2005
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

subscrever feeds



Há quem observa com atenção, senta, e se interessa em saber quem sou.


Blog Brasileiro, do Ceará para o Mundo


Adoro ouvir o barulho da chuva batendo no telhado, tomar banho de cachoeira, observar os pássaros, cuidar de animais, conversar com pessoas, aprender, rir à toa, ouvir música e viajar.
Transito livremente no mundo dos contos, da fantasia, da intuição, e às vezes dos exageros.
Gosto de pessoas com coração e olhos de poeta.
Pisciana, com ascendente em escorpião.
Mulher de Netuno, arquétipo água: mutável, humanista, idealista, sonhadora; aparentemente passiva, mas extremamente reacionária, autoritária, insegura e adaptável.
Mãe da Fernanda e da Camilla, casada com o Fernando.
Terapeuta ocupacional, estudante de psicologia.

Image Hosted by ImageShack.us

Uma eterna peregrinação...
Programa Reviver
Jaqueline Sales


CLIQUE PARA OUVIR


Quantos me visitam...









Uma cidadã lupina no mundo e do mundo



Guest-Book
Image Hosted by ImageShack.us
Livre D'or




Nada é permanente, a não ser a mudança


Uploaded with ImageShack.us
Nascer
Crescer
Aprender
Viver
Mudar
Sofrer
Amar
Morrer
Começar tudo de novo...
Até saber quem somos e a que viemos



A vida em imagens


.¸¸.•*´¨`*•.¸¸.•☆ Infinita e Impermanente como a vida, são as imagens.... ☆.¸¸.•*´¨`*•.¸¸.•




Obrigada pela sua visita!

☆≈≈≈Cinderela, mascote dos Uivos da Loba≈≈≈☆


Jaqueline Sales Sales

Criar seu atalho