Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



CONVERSANDO COM AS ESTRELAS

por Keila, a Loba, em 01.06.07
Elas são leves, amigas, delicadas, e estão sempre anunciando a paz. Obrigada, Smareis e Tanta, pela leveza, generosidade e amizade.





Hoje eu acordei cedinho e me olhei no espelho temerosa: olhos inchados, olhar triste, cabelos brancos emoldurando o rosto, sensação dos anos correndo mais rápido que a minha corrida pelo bem estar e satisfação. Algumas outras dúvidas e temores me fizeram marejar os olhos, e temi não estar cumprindo as minhas metas nem de longe. Meu Deus, quando será que vou amadurecer? Quando saberei o que e porque farei? Olhei em volta e vi paradas dignas de uma adolescente pueril, e me senti mais perdida e desprotegida que uma menina nos seus 12 anos.


Questões bobas, como estar segura das coisas que preciso ter e enfrentar, vencer obstáculos e desafios com energia e segurança... essas coisas que a gente sempre pensa ter em quantidade suficiente nos mais de quarenta anos vividos, puxa, simplesmente percebi que elas estão comigo em determinados momentos; depois desaparecem. Para onde vão, eu não sei, mas fazem uma falta! Essa "perdição do ser" tem uma justificativa sugestiva, e me pergunto por que a agravante crise de auto-estima sempre que vou pedir a alguém algo que me beneficie. Seria catastrófico querer um pouquinho mais do que tenho?


Não posso negar que a maturidade têm trazido algumas vitórias, e quase todas envolvem descobertas pessoais. Hoje consigo me ver na perspectiva de quem planeja alçar vôo em algum momento, e sei que devo estar pronta para eventuais acidentes e surpresas agradáveis e também desagradáveis por SER na impermanência da vida. Também sinto a sensação de dever quase cumprido, pois vejo minhas filhas carregando a educação e crença de vida que sempre lutei para que percebessem, mas meu maior pecado é idealizar um futuro que talvez jamais terão. Quem suportará viver, estudar, trabalhar, sofrer, amar e respirar no Brasil do futuro, quando no presente estamos perdidos, desacreditados e desacreditando em nós e em tudo? Penso na lenda pessoal das minhas filhas, e creio que a minha mais poderosa arma para combater esse pessimismo é pensar que lhes dei o tinha de melhor. Talvez tenha lhes presenteado com coisas que nem mesmo tenho, e de repente me senti irreal. Será que todas as mães são assim?


De todas as coisas que tenho vivido e aprendido, uma delas é interessante sob vários pontos de vista: eu pensava ser a mais insegura das criaturas, mas o convívio com pessoas carentes e doentes me trouxe a feliz descoberta de que meu discurso de agora é emblemático e forte. Quando estou inspirada, poucos não se dobram aos apelos emocionais que desfiro por compaixão e respeito. No momento estou sendo cuidada e tratada pelos que eu deveria cuidar, e isso é libertador. Estou aprendendo que o hoje é uma estrada de doces encontros e de trocas; e se recebo de alguém, é meu dever repassar "a graça" com a mesma ou maior energia, pois esse fenômeno tende a crescer e a se transformar em poder - poder para olhar nos olhos e sentir a alma fluindo ou não com trabalho e discurso.


Não me perdoaria deixar de mencionar aqui que me sinto mais perto de Deus, estou sensibilíssima aos diálogos com meus pais, e às vezes tenho a sensação de que uma porta será aberta e todas as respostas sairão por ela. Não nego que essa estreita relação com a divindade tenha me levado a pensar que a morte me ronda. Imagino que todas as pessoas têm essas coisas, que esses diálogos e perguntas sem respostas fazem parte da rotina emocional de todos, mas esses questionamentos me induzem a acreditar na finitude.


Um amigo me disse que estou nos últimos dias de criança, que num passe mágico de horas de vida despertarei como alguém mais madura e sábia porque esse é o destino de todos. Acho que ele tem razão, pois do contrário eu não estaria aqui falando sobre velhice, amadurecimento, perdas e ganhos, vida e morte, porque não faria sentido publicar esse post se soubesse que ninguém viria ler e meditar sobre quem sou, por que sou e o que me faz feliz e infeliz. É bacana saber que as minhas perguntas e temores invadirão o seu universo particular por alguns minutos, e de alguma forma você será quem sou e eu serei você.

Image Hosted by ImageShack.us

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 01:16

Pág. 6/6



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2005
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D

subscrever feeds



Há quem observa com atenção, senta, e se interessa em saber quem sou.


Blog Brasileiro, do Ceará para o Mundo


Adoro ouvir o barulho da chuva batendo no telhado, tomar banho de cachoeira, observar os pássaros, cuidar de animais, conversar com pessoas, aprender, rir à toa, ouvir música e viajar.
Transito livremente no mundo dos contos, da fantasia, da intuição, e às vezes dos exageros.
Gosto de pessoas com coração e olhos de poeta.
Pisciana, com ascendente em escorpião.
Mulher de Netuno, arquétipo água: mutável, humanista, idealista, sonhadora; aparentemente passiva, mas extremamente reacionária, autoritária, insegura e adaptável.
Mãe da Fernanda e da Camilla, casada com o Fernando.
Terapeuta ocupacional, estudante de psicologia.

Image Hosted by ImageShack.us

Uma eterna peregrinação...
Programa Reviver
Jaqueline Sales


CLIQUE PARA OUVIR


Quantos me visitam...









Uma cidadã lupina no mundo e do mundo



Guest-Book
Image Hosted by ImageShack.us
Livre D'or




Nada é permanente, a não ser a mudança


Uploaded with ImageShack.us
Nascer
Crescer
Aprender
Viver
Mudar
Sofrer
Amar
Morrer
Começar tudo de novo...
Até saber quem somos e a que viemos



A vida em imagens


.¸¸.•*´¨`*•.¸¸.•☆ Infinita e Impermanente como a vida, são as imagens.... ☆.¸¸.•*´¨`*•.¸¸.•




Obrigada pela sua visita!

☆≈≈≈Cinderela, mascote dos Uivos da Loba≈≈≈☆


Jaqueline Sales Sales

Criar seu atalho