Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



A CASA DOS PERDIDOS

por Keila, a Loba, em 03.01.08

Não era nem grande e nem pequena. Tinha as paredes da fachada castigadas pela ação dos ventos, e o pouco que ficava à mostra estava coberto por densas ramificações de hera que saíam de todos os lados. As janelas mostravam apenas uma bela cortina de motivos florais, e isso impossibilitava ver o movimento no interior da casa; mas a porta, muito larga e muito baixa, vez por outra ficava entreaberta.

O ponto principal da casa era um jardim cheio de cravos, margaridas, petúnias, rosas e gérberas que se deixavam ver por poucos. Para muitos aquele jardim estava morto, salvo o canto dos pássaros e revoadas das borboletas que ocasionalmente quebravam o desencanto de vê-lo. Duas velhas cadeiras brancas com almofadas coloridas eram as únicas peças aconchegantes da varanda, e estas pareciam soberbas ante a verde galhada do jambo que sombreava o canto esquerdo principal do jardim.

Os que moravam na casa eram tantos, e tão diferentes, que aquela casa parecia uma cidade. Vi adultos sorridentes entrarem e saírem de lá tão tristes que dava dó, mas também vi crianças entrando com as mãos vazias e de lá saírem carregando brinquedos coloridos. Às vezes as mulheres ficavam pensativas ante o caminho que as conduziriam a porta, choravam, punham as mãos na cabeça, mas entravam, e saíam bem mais tarde com um minúsculo e presente brilho nos olhos. Vi um idoso saindo da casa trajando um grosso roupão de banho levar imensas malas de viagem e bagagem de mão apenas para dar uma volta no quarteirão. Também deixei de ver pessoas que entravam e saíam de lá desaparecerem, sumirem de vez, sem que jamais as visse em qualquer outro lugar. Um dia, no início da noite, uma carruagem parou defronte a casa e nela subiram, abraçados e sorridentes, um magérrimo homem aranha e uma cinderela que tinha quase dois metros. O que sei, com absoluta certeza, é que um gatinho siamês era visto todos os dias correndo na grama verdinha do jardim.


Image Hosted by ImageShack.us


Às vezes ouviam-se gritos, lamentos e palavras obscenas saídas da casa, e esses ruídos eram intercalados com uma música de fundo que parecia a trilha sonora de uma vida largada e vazia. Lembro-me de uma noite em que diferentes pessoas se viram magnetizadas pela Lua cheia e se encontraram no jardim, acenderam fogueira, cantaram musicas alegres e tocaram violão. Nessa noite vi dança, também vi pessoas de mãos dadas, vi abraços, beijos e felicidade, ouvi sorrisos, promessas, mas uma chuva forte e inesperada pôs algumas pessoas para o interior da casa às pressas. Percebi que a grande maioria dos que riam alto, dos que beijavam e cantavam correram para todos os outros destinos que a rua permitiu, e apenas um homem aparentemente desequilibrado continuou entoando as canções daquela noite memorável. Depois a chuva parou, e por toda a madrugada a casa pareceu vazia e mal-assombrada.

As pessoas passavam pela calçada da casa dos perdidos e sentiam-se atraídas por uma misteriosa energia que parecia ter aquela construção. Eu, muito curioso, outro dia passei defronte e vi a porta entreaberta, vi o gatinho preguiçosamente deitado na almofada da cadeira e o peguei no colo, mas uma gargalhada ruidosa chamou a minha atenção. Não resisti e entrei. Foi quando vi um homem de meia idade sentado ao chão da sala minimalista, falando ao telefone celular com um aparente amigo, pichando a parede principal com generosas pinceladas de tinta numa mensagem que dizia: Tudo passa. O restante da parede era negro, vermelho, azul, amarelo, verde...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 02:19

Pág. 4/4



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2012
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2011
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2010
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2009
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2008
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2007
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2006
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2005
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

subscrever feeds



Há quem observa com atenção, senta, e se interessa em saber quem sou.


Blog Brasileiro, do Ceará para o Mundo


Adoro ouvir o barulho da chuva batendo no telhado, tomar banho de cachoeira, observar os pássaros, cuidar de animais, conversar com pessoas, aprender, rir à toa, ouvir música e viajar.
Transito livremente no mundo dos contos, da fantasia, da intuição, e às vezes dos exageros.
Gosto de pessoas com coração e olhos de poeta.
Pisciana, com ascendente em escorpião.
Mulher de Netuno, arquétipo água: mutável, humanista, idealista, sonhadora; aparentemente passiva, mas extremamente reacionária, autoritária, insegura e adaptável.
Mãe da Fernanda e da Camilla, casada com o Fernando.
Terapeuta ocupacional, estudante de psicologia.

Image Hosted by ImageShack.us

Uma eterna peregrinação...
Programa Reviver
Jaqueline Sales


CLIQUE PARA OUVIR


Quantos me visitam...









Uma cidadã lupina no mundo e do mundo



Guest-Book
Image Hosted by ImageShack.us
Livre D'or




Nada é permanente, a não ser a mudança


Uploaded with ImageShack.us
Nascer
Crescer
Aprender
Viver
Mudar
Sofrer
Amar
Morrer
Começar tudo de novo...
Até saber quem somos e a que viemos



A vida em imagens


.¸¸.•*´¨`*•.¸¸.•☆ Infinita e Impermanente como a vida, são as imagens.... ☆.¸¸.•*´¨`*•.¸¸.•




Obrigada pela sua visita!

☆≈≈≈Cinderela, mascote dos Uivos da Loba≈≈≈☆


Jaqueline Sales Sales

Criar seu atalho