Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



BRASIL, UM PAÍS DE CONTRASTES: ENCHENTES EM SANTA CATARINA, SECA NO NORDESTE.

por Keila, a Loba, em 29.11.08

Presente da Celi, http://sensualitty.zip.net/ , que sempre me faz muito feliz. Obrigada, querida.



 

Cheguei do médico apressada, e havia um recadinho no quadro que dizia, “Uma amiga, com sotaque diferente, ligou para saber como a senhora está”. Imediatamente, eu fiquei sabendo que só poderia ser ela, a Vitória. E foi ela, sim! Ela tem alguma coisa que extrapola a doação, o respeito, o carinho... e isso nos faz crer que anjos existem e convivem conosco por aqui mesmo, nessa Terra árida e sem muitos amigos verdadeiros. E ela me ligou em um dos dias mais difíceis; um dia daqueles... em que o resultado da biópsia deixa a gente com os nervos à flor da pele.

Eu não tenho como te abraçar agora, Vitória, mas tenho como dizer que te gosto profunda e imensamente. Muito obrigada pela sua presença mágica espelhando doação, vida, fé, esperança e amor nesse mundo blogueiro de fora, mas também no mundo real e possível do coração.

Reclinada
Image Hosted by ImageShack.us

O selinho, “Blog Que Não Tem Preço”, que a Vitória me presenteou, está à disposição dos que têm um blog e o consideram valioso demais para ter limites em um cantinho tão especial.


Fiquei chocada e profundamente solidária para com aqueles que perderam familiares e/ou suas casas nas águas que ainda banham o Estado de Santa Catarina desde o dia 27 de novembro último. O que vi pela televisão, chocou pela fúria com que as chuvas destruíram casas e estradas, separaram famílias, arrasaram plantações, arrastaram carros e caminhões, e levaram embora anos de trabalho, investimentos e o progresso do governo catarinense e de seu povo. O alívio aconteceu quando o William Bonner comentou que, enquanto a equipe de reportagem da rede globo fazia as imagens da tragédia, pessoas afetadas pela tempestade falaram em alto e bom tom, “As águas levaram, mas nós reconstruiremos!”. Nesse instante, tive a exata dimensão do poder de reação e da valentia do povo brasileiro.

As tragédias nos mostram em fatos e cores a vulnerabilidade de todas as coisas que acreditamos e construímos, sejam grandes impérios industriais ou mesmo nossas casas, e provocam sentimentos de dor e solidariedade que nenhum outro acontecimento consegue reunir de forma tão emocional. Outro detalhe importante, é perceber que as aquisições materiais, por mais sólidas e importantes que sejam, são insignificantes, e mostram-se incapazes de minimizar as perdas humanas violentamente roubadas por acontecimentos naturais ou provocados pelo homem.

Relembre a tragédia das Torres Gêmeas, por exemplo. Quando tombaram ao chão, em 11/09/2001, ruiu com elas o orgulho do povo americano, que via naquele complexo de edifícios o símbolo máximo do poder e invulnerabilidade do país mais rico do mundo. Tudo aquilo era mera ilusão. Por algum tempo, os prejuízos financeiros foram calculados e recontados, as televisões do mundo inteiro mostraram toneladas de ferro retorcido, e uma dívida final foi apresentada em forma de alguns bilhões de dólares que interessa muito mais ao governo americano. Na contrapartida, as perdas humanas, cada uma das histórias pessoais exibidas na mídia mundializada, através de cenas familiares, bilhetes e fatos ocorridos antes e no dia da tragédia, serão eternamente sentidos, vividos, sofridos, e são tão atuais que ainda provocam lágrimas em que as vê e ouve.




Voltando às enchentes, as águas em excesso em Santa Catarina são o oposto das águas escassas no Nordeste, sendo essa diferença o motivo da nossa atual semelhança. Os exageros, em ambos os casos, trazem morte, sede, doenças, fome, separam famílias, mobilizam governos, causam prejuízos e atrasam o desenvolvimento regional. Em ambos os casos, uma coisa é certa: haverá muita luta e trabalho, mas o povo sobreviverá.

Nem sempre a seca no Nordeste convida o povo brasileiro à solidariedade. O nordestino sofre o absurdo preconceito de que somos escória social, e por isso somos violentamente cassados e destratados nas ruas, nos ateiam fogo, nos chamam de “Paraíba!” em alusão a cabeça chata, e nos envergonham e ao Brasil com um movimento sulista para separar a região sul do Brasil. Meu Deus! Essa idéia separatista ressuscita o ariano Hitler, lembra o Apartheid africano, nos coloca em igualdadade com as rivalidades étnicas do Quênia, entre outras.

Intolerancias de magnitudes notadamente preconceituosas, em um país miscigenado como o Brasil, não deveriam nos orgulhar, até porque a população brasileira é mestiça, queira ou não. Nenhum brasileiro tem um sangue nas veias.

Vi na televisão que a população de Fortaleza está se mobilizando para arrecadar colchões, roupas e calçados, e o governo do estado do Ceará está disponibilizando água potável e remédios para os desabrigados em SC. Não fazemos nenhuma grande ação com essa boa ação, mas sei que, se as chuvas tivessem alagado o árido Nordeste, e o Sul se mobilizasse para nos acudir, os donativos fariam aqui, e para os desabrigados da seca, o mesmo efeito que farão em SC, para os desabrigados das enchentes, ou seja: vão aquecer no frio, matar a fome e a sede, medicar doentes e minimizar o sofrimento das pessoas que perderam quase tudo, menos a dignidade e a coragem para reconstruir suas vidas e suas casas.

Se você ligar a televisão hoje, verá que sulistas e nordestinos estão no mesmo patamar de necessidades: um sofre pelo excesso de água, e o outro sofre pela falta dela. É... As tragédias têm um raro poder de nos tornar iguais.

Image Hosted by ImageShack.us

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:02

Pág. 1/3



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2012
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2011
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2010
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2009
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2008
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2007
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2006
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2005
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

subscrever feeds



Há quem observa com atenção, senta, e se interessa em saber quem sou.


Blog Brasileiro, do Ceará para o Mundo


Adoro ouvir o barulho da chuva batendo no telhado, tomar banho de cachoeira, observar os pássaros, cuidar de animais, conversar com pessoas, aprender, rir à toa, ouvir música e viajar.
Transito livremente no mundo dos contos, da fantasia, da intuição, e às vezes dos exageros.
Gosto de pessoas com coração e olhos de poeta.
Pisciana, com ascendente em escorpião.
Mulher de Netuno, arquétipo água: mutável, humanista, idealista, sonhadora; aparentemente passiva, mas extremamente reacionária, autoritária, insegura e adaptável.
Mãe da Fernanda e da Camilla, casada com o Fernando.
Terapeuta ocupacional, estudante de psicologia.

Image Hosted by ImageShack.us

Uma eterna peregrinação...
Programa Reviver
Jaqueline Sales


CLIQUE PARA OUVIR


Quantos me visitam...









Uma cidadã lupina no mundo e do mundo



Guest-Book
Image Hosted by ImageShack.us
Livre D'or




Nada é permanente, a não ser a mudança


Uploaded with ImageShack.us
Nascer
Crescer
Aprender
Viver
Mudar
Sofrer
Amar
Morrer
Começar tudo de novo...
Até saber quem somos e a que viemos



A vida em imagens


.¸¸.•*´¨`*•.¸¸.•☆ Infinita e Impermanente como a vida, são as imagens.... ☆.¸¸.•*´¨`*•.¸¸.•




Obrigada pela sua visita!

☆≈≈≈Cinderela, mascote dos Uivos da Loba≈≈≈☆


Jaqueline Sales Sales

Criar seu atalho