Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



DE QUE É FEITA A SAUDADE?

por Keila, a Loba, em 20.03.09


 

Lembro-me da última vez que ouvi a voz da minha mãe. Ela me dizia, ao telefone, que eu estava atrasada para o compromisso agendado em família - que teria sido a celebração de uma missa em homenagem aos familiares que haviam falecido.


Sua voz era suave, maternal, tão carinhosa, que parecia mesmo estar se despedindo. Eu, sentindo que estava de fato demorando no banho, na escolha da roupa, nos acertos com minhas filhas, disse-lhe que chegaria em poucos minutos.

Chegando à casa dos meus pais, meu irmão estava no portão aos prantos, dizendo que mamãe havia passado mal, estava caída ao chão quando foi acudida, e por esse motivo foi levada às pressas para o hospital. Por que será que os filhos pensam que seus pais são super-heróis? Que não adoecem, não morrem?

Quando soube que "mainha" havia falecido, minha tristeza era tão grande que não consegui derramar uma única lágrima pela morte da mulher mais importante e inesquecível da minha vida. Meu corpo ficou tomado por manchas violáceas por vários dias, eu não conseguia dormir, nem deixar de pensar nela, estava deprimida e perdida em casa. E assim fiquei por vários dias até descobrir que essa dor nunca vai embora.


Image Hosted by ImageShack.us


A última vez que vi meu pai, ele estava deitado na cama do home care da unimed na casa da minha irmã. Seu olhar estava triste, perdido; o rosto amarelado e um pouco inchado; as mãos, pés e pernas estavam tão edemaciados que minavam água em toda a extensão do colchão. Estava sofrendo como poucos sofrem na vida.

Eu havia comprado um cd com as músicas das antigas marchinhas de carnaval e uma delas ele adorava: touradas em Madrid. Pus a música, tentei cantar alguns trechos com ele, mas as palavras não conseguiam sair de sua boca. Ele estava triste demais para cantar, para relembrar, e esse silêncio me fez travar o dialogo mais estranho que uma filha teria com seu pai. Disse-lhe que estava na hora de ir, que ele não se preocupasse. Também lhe disse que sabíamos o quanto ele era guerreiro, que não precisava se preocupar no que estava nos transmitindo, pois sabíamos que ele era o nosso maior exemplo de garra e de luta. Estava na hora de ir embora.

Entrei no carro aos prantos após tê-lo visto por aquela última vez. Enquanto dirigia, lembrava de cada palavra dita, dos olhares, dos sentimentos que eclodiram naquele último encontro, da vida, da morte...

Poucos minutos depois do regresso à minha casa, ainda chorando, o telefone tocou. Senti imediatamente que aquela ligação tinha algo a ver com papai. E tinha. Ele havia acabado de falecer.


Saudade é um sentimento feito de olhares, de toques, de palavras e de gestos que são eternizados através de minutos que nós não permitimos que o tempo avance ou desfaça. Esses momentos são únicos, exclusivos, e o tempo não tem como apaga-los ou torna-los menos importantes e inesquecíveis. Esses momentos, essas lembranças, essa saudade, são nossos.

Hoje, 19/03, meus pais celebram aniversário de casamento. Estamos com saudades, ainda choramos, não conseguimos preencher o vazio que é a ausência deles, mas jamais deixaremos de partilhar desse banquete.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 01:03



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2012
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2011
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2010
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2009
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2008
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2007
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2006
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2005
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

subscrever feeds



Há quem observa com atenção, senta, e se interessa em saber quem sou.


Blog Brasileiro, do Ceará para o Mundo


Adoro ouvir o barulho da chuva batendo no telhado, tomar banho de cachoeira, observar os pássaros, cuidar de animais, conversar com pessoas, aprender, rir à toa, ouvir música e viajar.
Transito livremente no mundo dos contos, da fantasia, da intuição, e às vezes dos exageros.
Gosto de pessoas com coração e olhos de poeta.
Pisciana, com ascendente em escorpião.
Mulher de Netuno, arquétipo água: mutável, humanista, idealista, sonhadora; aparentemente passiva, mas extremamente reacionária, autoritária, insegura e adaptável.
Mãe da Fernanda e da Camilla, casada com o Fernando.
Terapeuta ocupacional, estudante de psicologia.

Image Hosted by ImageShack.us

Uma eterna peregrinação...
Programa Reviver
Jaqueline Sales


CLIQUE PARA OUVIR


Quantos me visitam...









Uma cidadã lupina no mundo e do mundo



Guest-Book
Image Hosted by ImageShack.us
Livre D'or




Nada é permanente, a não ser a mudança


Uploaded with ImageShack.us
Nascer
Crescer
Aprender
Viver
Mudar
Sofrer
Amar
Morrer
Começar tudo de novo...
Até saber quem somos e a que viemos



A vida em imagens


.¸¸.•*´¨`*•.¸¸.•☆ Infinita e Impermanente como a vida, são as imagens.... ☆.¸¸.•*´¨`*•.¸¸.•




Obrigada pela sua visita!

☆≈≈≈Cinderela, mascote dos Uivos da Loba≈≈≈☆


Jaqueline Sales Sales

Criar seu atalho